Páginas de um livro imaginário

Hoje ela passou o dia inquieta, pulou de um lado para o outro, tentou pintar um quadro com seus gizes de cera, mais eles já estão gastos e pequenos demais para caberem em suas mãos, tentou tocar seu teclado velho, mais não conseguia se inspirar, até pegou seu violão, mais lembrou que não sabe tocar, talvez não fosse uma boa idéia ter abandonado as aulas. E então o que ela mais fugia veio até ela, a seu único recurso foi necessário ser recorrido, melancólicas palavras vomitadas no papel. Mais hoje ela não quer ficar triste, porque já basta na noite passada. Ontem ela apelou pra suas raízes, virou a noite em claro e a lua estava bela, ela acha que teve um daqueles momentos, como recomeços das fases da Lua, ela sempre volta a fase inicial, e por mais que ela fuja, não consegue admitir que adora seus momentos com a Lua. Seu cabelo está bagunçado, o rímel borrado de tanto aos prantos estar, e um cigarro aceso nas mãos há de ter, a dor que é causada em sua barriga provocada pelo peso de seu corpo que está perante o parapeito da janela já não lhe incomoda mais, à ela ja virou costume, rotina parar na janela durante o luar. Ele sempre a acompanha, mesmo não entendendo a confusão Nos Olhos Teus, que são negros como o fundo do mar, indecifráveis. Ela sente, ele lhe observa, observa o rosto dela metade dominado pela sombra, e outra parte iluminado pelo abajur amarelo. Ele engole a seco, troca o peso de perna, hesita antes de falar, ele tem tanta coisa a declarar, e ela não sabe como é difícil, mais as palavras lhe fogem. Ela joga seu cigarro fora, ele percebe sua tensão. Ela sabe muito bem o que se passa na cabeça dele, desta vez não há muito o que falar, uma lágrima escorre de seus olhos, ela a contém antes que chegue no queixo, e finalmente encosta os lábios sobre os dele, tomando posse de sua boca. Ele então entende que ela sempre soube de tudo, e que mesmo antes de ele lhe falar as coisas belas e ruins ela sabia, ela só não sabia que ele lhe superaria suas expectativas, ambas as partes se surpreenderam. Ele nunca teve tanta certeza na vida. As luzes da cidade se apagam por inteiro, e só lhe restam as estrelas, belas estrelas. Ele a abraça e ela sabe que precisa dele, seu cheiro vicia, seu suor é salgado. Ela sabe que precisa dele, e ele não vive sem ela.

Texto escrito por nossa linda leitora, Layla Naue🌻 (insta: laylakimberly).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s